7 de julho de 2021

Primeiras impressões #01: Para sempre vou te amar: Catherine Ryan Hyde.


Na semana passada, a Editora DarkSide®Books lançou o livro “Para Sempre Vou Te Amar”, da autora Catherine Ryan Hyde é uma autora como poucas. Suas histórias, que já emocionaram milhares de leitores pelo mundo, são capazes de nos acompanhar até nos momentos de maior solidão. O livro faz parte da linha Darklove da editora DarkSide®Books. A editora criou uma coleção com histórias sobre a força feminina na literatura. O lançamento de Para Sempre Vou Te Amar é uma história cativante que celebra a eternidade dos nossos laços de afeto mais profundos.


Ao começar a ler as primeiras páginas do livro Para Sempre Vou Te Amar percebo que essa leitura será bastante fluída. A narrativa é escrito em primeira pessoa pela Angie que é uma adolescente que no inicio da história é uma adolescente de 14 anos que mora com sua mãe e a sua irmã Sophie que tem aproximadamente 6 anos que é portadora de Transtorno de Espectro Autista (TEA):

Os critérios de diagnósticos essenciais do TEA consistem em: déficits persistentes na comunicação social e na interação social e padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses ou atividades. Por exemplo: Sophie, costuma gritar por horas a fio...

Não importa onde morem, as três nunca ficam muito tempo no mesmo endereço. Até que, ao se mudarem para a casa da "tia" que não tem nenhuma ligação de sangue ou afetiva com as crianças deixando bem claro que aquela é mais uma residência provisória. Pois, ela ja tem os seus próprios problemas como uma mulher que ficou viúva recentemente... Em um passeio pelo quintal, as duas irmãs descobrem que são vizinhas de um dog alemão. Sophie se conecta profundamente com o animal, os gritos dão lugar a um silêncio cúmplice. Todo mundo volta a respirar com tranqüilidade.


O protagonismo da Angie nas primeiras 100 páginas... quando ela ainda tinha 14 anos. Se dá, em relação a responsabilidade com a mãe e a irmã. Ela é a pessoa responsável pela sua irmã mais nova que é portadora de TEA na maioria das vezes... A irresponsabilidade da mãe acaba transformando-se em uma falta de cuidados (negligência) com as meninas principalmente com a Sophie que exige um cuidado especial. Soubemos sobre a sexualidade de Angie de uma forma invasiva... Nem a própria personagem tinha pensado sobre essas questões normais para qualquer adolescente. Nas primeiras 100 páginas... Conhecemos Também o e recluso tutor do dog alemão, que vai embora para as montanhas...


Qual é a ligação entre esses personagens: A adolescente Angie e o vizinho carrancudo Paul Inverness? Será que Angie e a sua mãe começarão a se entender melhor? Será que ambas conseguirão cumprir os seus próprios papéis? A adolescente Angie fazendo o papel de filha e não ao contrário.




Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também

2 comentários

  1. Oii, a trama parece ser muito interessante. Confesso que amei essa capa como sempre DarkSide®Books fazendo excelente trabalho.
    Beijos!
    https://deliriosdeumaliteraria.blogspot.com/?m=1

    ResponderExcluir
  2. Eu tô com esse livro na estante e não vejo a hora de conseguir pegar ele pra ler. Tá linda essa edição, né?

    Beijos!
    https://entrepaginasecafe.blogspot.com/

    ResponderExcluir

© Expresso Literário
Maira Gall