2 de maio de 2021

Livros&Fotografias#02: "O Principe e a Costureira" o Graphic Novel da DarkSide®

Eu não comprei o GraphicNovel "O Principe e a Costureira" da DarkSide Books não, né?


📝Sinopse: Sebastian é o príncipe herdeiro da Bélgica. Ele está em busca de uma esposa — ou melhor, seus pais estão cuidando disso para ele. Sebastian, na verdade, está mais ocupado escondendo seu segredo de todos: à noite, ele coloca vestidos ousados e sai pelas ruas de Paris como a fabulosa Lady Crystallia, o ícone fashion da capital da moda. Tal façanha é graças ao belíssimo trabalho de Frances, sua melhor amiga e costureira, e uma das duas únicas pessoas que sabem a verdade. Mas Frances sonha com a grandeza e o reconhecimento, e fazer os vestidos de Lady Crystallia significa viver à sombra de um segredo para sempre…

E comprei marcadores de texto em tons pastéis (que sou completamente apaixonada) da Faber Castell.

📚A DarkSide® Graphic Novel é uma expansão do universo sombrio e fantástico da editora, lar de Charles Burns, autor de Black Hole e Big Baby, e de quadrinistas de renome como Dave McKean, Nagabe, Junji Ito, Kate Evans, Emily Carrol, Danilo Beyruth, Bernie Wrightson, Derf Backderf (de Meu Amigo Dahmer), entre outros. Se você é fanático pela arte sequencial, prepare-se para se surpreender novamente com sua velha paixão. Os que não têm o hábito de ler hqs, não vão se arrepender. Quem aposta no escuro com a DarkSide® costuma virar fã.




Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também

23 de abril de 2021

Dia Mundial do Livro - 23 de abril

O Dia Mundial do Livro, ou simplesmente Dia do Livro, é comemorado anualmente em 23 de abril. Além de homenagear várias obras literárias e seus autores, a data também busca conscientizar as pessoas sobre os prazeres da leitura.


No Dia Mundial do Livro também é celebrado o Dia dos Direitos de Autor. A Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) criou a data do "Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor" para encorajar as pessoas, especialmente os jovens, a descobrirem os prazeres da leitura, e conhecerem a enorme contribuição dos autores de livros através dos séculos. Uma tradição catalã ligada aos livros já existia no dia 23 de abril, e parece ter influenciado a escolha da Unesco. Na tradição catalã, no dia de São Jorge (23 de abril), é costume dar uma rosa para quem comprar um livro. Trocar flores por livros já se tornou tradição em outros países também.

As vezes o Sr. Fernandão atrapalha a leitura...
As vezes o Sr. Fernandão atrapalha a leitura...

A Unesco escolheu a data do Dia Mundial do Livro em 1995, em Paris, durante o XXVIII Congresso Geral. O dia 23 de abril foi escolhido por ser a data da morte de três grandes escritores da história: William Shakespeare, Miguel de Cervantes, e Inca Garcilaso de la Vega. No dia 23 de abril é também a data de nascimento ou morte de outros autores famosos, como Maurice Druon, Haldor K.Laxness, Vladimir Nabokov, Josep Pla e Manuel Mejía Vallejo.


Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também

16 de abril de 2021

Trechos & Fotografias #01

 


Escrevendo sobre livros enquanto bebo um café expresso....

Semana passada, eu pensei em "movimentar" o Blog Expresso Literário com colunas além do conteúdo que vocês já estão acostumados... Iniciaremos então, a coluna "Trechos & Fotografias" ainda não sei como será a freqüência dessas postagens (Semanal ou mensal) que trará, cinco fotografias e trechos marcantes dos livros que já resenhei aqui no blog.

📌📌📌




“Passamos a vida inteira no labirinto, perdidos, pensando em como um dia conseguiremos escapar e em como será legal. Imaginar esse futuro é o que nos impulsiona para a frente, mas nunca fazemos nada. Simplesmente usamos o futuro para escapar do presente.” 

Quem é você Alasca? - John Green [Resenha]



“Não tenho saudade da infância, mas sinto falta da forma como eu encontrava prazer em coisas pequenas, mesmo quando coisas maiores desmoronavam. Eu não podia controlar o mundo no qual vivia, não podia fugir de coisas nem de pessoas nem de momentos que me faziam mal, mas tinha prazer nas coisas que me deixavam feliz.”

O Oceano no Fim do Caminho - Neil Gaiman [Resenha]



"Quando a guerra começou, minha mãe sugeriu que eu escrevesse um diário. Nele, contava tudo o que tinha feito no meu dia. Eu pensei que assim eu poderia um dia lembrar de tudo o que aconteceu."

O Diario de Myriam- Myriam Rawick [Resenha]



“É como se, quando eu olhasse para mim mesma, não visse nada definido… só um monte de pensamentos, atos e contextos. E muitos na verdade nem parecem meus. Muitos pensamentos eu não quero pensar, muitas coisas eu não quero fazer, é mais ou menos isso. Quando procuro o que eu sou, nunca encontro.” 
Tartarugas Até Lá Embaixo - John Green [Resenha]



"Ainda que a medicina tenha evoluído de forma impressionante nos últimos séculos, certas coisas nunca mudam. Aparentemente, nem o progresso é capaz de fazer a humanidade deixar para trás seus traços de maldade, desgraça e completa idiotice.”

Medicina Macabra - Thomas Morris [Resenha]



Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também

10 de abril de 2021

5 MOTIVOS PARA LER A MENINA SUBMERSA, DE CAITLÍN R. KIERNAN

A Menina Submersa é um livro de ficção escrito por Caitlín R. Kiernan, do selo DarkLove da Darkside Books. No livro, a autora nos conta a história de Imp, uma moça esquizofrênica que resolve contar sua própria experiência com os contos de fadas e como eles são reais. Hoje traremos 5 motivos para você ler esta obra incrível.


 5 MOTIVOS PARA LER A MENINA SUBMERSA


1. Personagem Feminina:

Ao contrário da maior parte dos livros, em A Menina Submersa a protagonista é uma mulher, forte e bem resolvida, apesar de sua situação psicológica. Se fôssemos colocar o livro sob o teste de Bechdel, com certeza passaria.

2. Personagem Transgênero:

Não dá para contar muito sobre esse personagem sem dar spoilers, mas a autora trata de forma muito natural (como deveria ser tratado o assunto) a questão de gênero. Além disso, o personagem tem relevância para o andamento da história, não está apenas cumprindo cota.

3. Relacionamento Homossexual:

Como se a representatividade não fosse o bastante, nossa protagonista é lésbica! O relacionamento de Imp com Abalyn não é apenas o pano de fundo da trama de A Menina Submersa, mas também é parte intrínseca do enredo e tem muita relevância para a história da própria protagonista.

 4. Transtornos Psicológicos:

A parte central da trama de Imp (a protagonista) é que ela foi diagnosticada esquizofrênica desde muito nova. A autora é muito sensível e retrata as dúvidas e as questões do transtorno da personagem de forma muito natural e respeitosa.

 5. A história é incrível:

Por último, mas não menos importante, a história de A Menina Submersa é incrível, sensível e incisiva. Acompanhamos a jornada de Imp enquanto ela tenta nos contar sobre seus fantasmas, seus medos e seu passado de forma não-linear e muito espontânea.


Dois motivos bônus para esse livro incrível:
A Darkside Books tem um capricho imenso com os livros e o selo DarkLove são de escritoras mulheres. Logo, este livro foi escrito por uma mulher incrível e de uma sensibilidade ímpar.

E você, já leu? Tem algum com temática parecida para indicar? Conta para gente nos comentários!

2 de abril de 2021

ENTREVISTA COM O AUTOR: JONH GRENN - TARTARUGAS ATÉ LÁ EMBAIXO

 

Sinopse: A história acompanha a jornada de Aza Holmes, uma menina de 16 anos que sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido – quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro – enquanto lida com o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). Repleto de referências da vida do autor – entre elas, a tão marcada paixão pela cultura pop e o TOC, transtorno mental que o afeta desde a infância –, Tartarugas até lá embaixo tem tudo o que fez de John Green um dos mais queridos autores contemporâneos. Um livro incrível, recheado de frases sublinháveis, que fala de amizades duradouras e reencontros inesperados, fan-fics de Star Wars e – por que não? – peculiares répteis neozelandeses. [Resenha].


Titulo: Tartarugas Até Lá Embaixo
Autor: John Green
Ano: 2017
Páginas: 237
Idioma: português
Editora: Intrínseca
Avaliação: ☕☕☕☕💓




A TIME conversou recentemente com Green sobre o romance e como ele explora a maneira como a doença mental pode afetar a vida diária. O autor de 40 anos já expôs suas próprias lutas com a saúde mental, um tópico que ele acha que deve ser discutido abertamente.

Como você quis descrever Indianápolis, onde você nasceu e agora vive?

JG: Minha esposa, Sarah e eu vivemos lá há 10 anos e eu adoro isso. Eu queria escrever sobre isso do jeito que penso que a maioria dos adolescentes se relaciona com suas cidades natais - eles têm um certo carinho pelo lugar de onde são, mas eles vêem com grande clareza o que há de errado com o lugar de onde eles são.

De onde veio essa história? Como você chegou com a idéia de ter um bilionário fugitivo para impulsionar a ação?

JG: Eu queria escrever uma história de detetive sobre um detetive cujo transtorno cerebral não o ajuda. Porque há tantas histórias de detetive sobre pessoas obsessivas que são detetives brilhantes por causa de sua obsessão e minha experiência com obsessão tem sido mais ou menos o oposto completo. Eu queria escrever uma história de detetive onde o enredo continua sendo interrompido pela incapacidade dessa pessoa de viver no mundo da maneira que ela quer. E então eu precisava de algum mistério grande, um tanto fantástico. Eu também queria escrever sobre as formas em que diferentes tipos de privilégios se cruzam na vida das pessoas e as formas em que eles te cegam.

Você foi extremamente aberto ao falar sobre suas próprias lutas com doença mental. Como foi escrever sobre o tipo específico de TOC e a ansiedade que você sofre?

JG: Eu tive que escrever com uma distância suficiente de mim mesmo para que isso fosse OK, para que eu me sentisse seguro. E então, Aza tem um foco diferente de suas preocupações obsessivas e dos comportamentos que ela usa para gerenciá-los. Ainda não posso falar diretamente sobre minhas próprias obsessões. A palavra gatilho se tornou tão amplamente usada na cultura popular, mas qualquer um que experimentou um ataque de ansiedade sabe o quanto eles o querem evitar. Foi realmente difícil, especialmente no início, escrever sobre essa coisa que era uma parte tão importante da minha vida. Mas, de outra forma, era realmente empolgante porque sentia que se eu pudesse dar forma ou expressão, eu poderia olhar para isso e eu poderia falar sobre isso diretamente, em vez de ter medo disso. E uma das principais coisas que eu queria fazer no livro era mostrar quão solitário pode ser viver com doenças mentais e também o quão difícil pode ser para as pessoas que estão à sua volta, porque você acaba se isolando.
Você enfatiza a idéia de que não há cura mágica para doenças mentais ao longo do livro. Por que foi importante para você transmitir essa mensagem?

JG: Nós realmente gostamos de histórias que envolvam a conquista de obstáculos e sejam sobre a vitória sobre a adversidade. E eu também adoro essas histórias. Só que essa não foi a minha história com doenças mentais e eu realmente não queria que fosse a da Aza. Para mim, não é algo que eu espero vencer na minha vida. Não é como uma batalha que eu espero ganhar. É algo com o qual eu espero viver e ainda ter uma vida plena.




O que te inspirou a usar as Tartarugas até lá embaixo - uma anedota que ilustra o problema com uma regressão infinita - como uma metáfora para a luta de Aza?

​JG: Eu amo essa história. Quando o ouvi pela primeira vez, eu era estudante universitário. Eu pensei que era sobre o quão estúpida é a superstição e como a ciência é certa e todos os outros estão errados. E agora percebo - ou penso agora - que esse não é o ponto da história. O ponto da história é que o cientista está certo, mas a velha disse que o mundo está apoiado em tartarugas por todo o caminho infinitamente, ela também está certa. Ambos estão certos, porque, obviamente, o mundo é uma esfera - não sou como um terraplanista ou algo assim - mas o mundo também são as histórias que contamos sobre ele. As histórias que contamos são importantes. Elas moldam o mundo real e moldam nossas vidas reais. Então, isso é muito útil para mim ao pensar sobre porque eu gosto de escrever e ler. Mas também é muito útil para mim, ao me lembrar de que eu tenho alguma escolha ao moldar minha própria experiência. Mesmo que eu possa ir por longos períodos de tempo onde eu não tenho controle sobre meus pensamentos e isso é assustador e desestabilizador para meu senso de si mesmo, eu tenho escolha na história da minha vida.

​Seus livros são lidos por pessoas de todas as idades. Mas como você se sente sobre a importância de incorporar questões como a doença mental em livros para jovens adultos?

JG: Eu acho que houve muitos bons livros jovem adulto sobre doenças mentais ao longo dos anos. Para mim, uma das razões pelas quais eu gosto de escrever livros jovem adulto é porque adoro compartilhar uma prateleira com os outros livros jovem adulto que estão sendo publicados agora. Eu apenas acho que é um momento realmente maravilhoso na literatura jovem adulta. Eu também gosto de escrever sobre adolescentes porque eles estão fazendo coisas pela primeira vez e é realmente intenso. E uma das coisas que eles estão fazendo pela primeira vez é fazer as grandes perguntas sobre o sofrimento e o que as coisas significam e se ter um significado é inerente à vida humana ou é algo que devemos construir.

Como você sente que este livro se encaixa na conversa atual sobre saúde mental e o impulso de muitos para desestigmatizá-la?

JG: Eu acho que algum progresso foi feitos na desestigmatização da doença mental. Penso que ainda há muitos estigmas no local de trabalho. Acho que infelizmente ainda há muitos estigmas em torno da contratação. Eu não sou um psicólogo, definitivamente não sou um especialista nestas coisas, mas um dos problemas com a estigmatização é que isso gera um isolamento. E eu realmente espero que possamos continuar a derrubar isso porque lembro-me de como eu sentia no ensino médio e era uma grande parte do que o fazia tão difícil de suportar.



Este é o segundo livro consecutivo que você escreveu a partir de uma perspectiva feminina. O que você acha mais desafiador sobre escrever personagens com os quais você não se identifica diretamente?

JG: Bem, sempre é um desafio. Qualquer personagem é uma espécie de pulo em empatia. Toda vez que você escreve da perspectiva de um personagem fictício, você está imaginando o que é não ser você. E essa é uma das coisas que eu amo sobre a escrita de ficção porque eu senti como uma fuga do meu cérebro, o que muitas vezes não é um lugar muito agradável de se estar. Espero que [Aza] pareça real às pessoas.

E você também teve essa grande amizade feminina entre Aza e Daisy neste livro.

JG: Sim, eu realmente queria escrever sobre amizade. Eu queria escrever sobre todos os diferentes tipos de amor que podem sustentá-lo e apoiá-lo. O amor romântico é aquele em que nos concentramos mais em nossa conversa cultural e certamente é muito importante para muitas pessoas. Mas para muitas pessoas, outros tipos de amor são os mais importantes. Quando eu estava no ensino médio, era o amor de meus amigos que me fez continuar.

Tartarugas até lá embaixo é o seu primeiro livro desde o enorme sucesso de A Culpa é das Estrelas. Você pode falar sobre sua experiência escrevendo após esse sucesso?

JG: Enquanto eu sentia como se estivesse escrevendo uma continuação, eu não estava escrevendo. Foi uma experiência maravilhosa e um privilégio incrível de ter tantas pessoas respondendo a esse livro tão gentilmente. Isso significou muito para mim, mas também significou que, quando eu comecei a tentar escrever novamente, senti como se houvesse pessoas olhando por cima do meu ombro e isso tornou [escrever] impossível por um longo tempo. Eu acho que era impossível por uma variedade de razões. Eu também acho que tive um período de má saúde mental, que acontece às vezes. Honestamente, senti que talvez eu não escrevesse outro livro e eu tinha que estar bem com isso.

​Você pode me contar um pouco sobre como você coloca tantas referências literárias em seu trabalho? Qual é o processo?

​JG: Nesta história, eles vieram ao longo da escrita ou, em alguns casos, antes. Algumas coisas foram aproveitadas de tentativas falhas anteriores de escrever um livro. Mas, como essa frase, em Ulysses, onde Molly Bloom diz: "O Jamesy me deixe sair disso", é algo que eu disse na minha própria vida para qualquer coisa que sinto que está me forçando a pensar esses pensamentos intrusivos. Isso é algo que eu disse milhares de vezes na minha cabeça ou em voz alta.

​Há algum autor de Jovem Adulto no momento que gostaria de destacar como merecendo mais atenção?

JG: O livro de Angie Thomas O Ódio que Você Semeia está recebendo muita atenção, mas deveria ter mais. Deve ser um livro que está sendo lido, penso eu, em todas as aulas de ensino médio no país. É um livro tão especial. Eu acho que vai ser lembrado da mesma forma como hoje falamos agora sobre Vidas sem rumo. Há também um livro chamado Piecing Me Together de Renee Watson, que é um olhar brilhante sobre o papel que a arte desempenha na vida dos jovens, mas também todas as diferentes maneiras que a raça, gênero e privilégio se cruzam na vida de uma jovem realmente extraordinária. Eu tenho pensado nesse livro sem parar nos últimos seis meses.

​O que está no seu radar? O que você está lendo agora?

JG: Acabei de terminar Little Fires Everywhere por Celeste Ng, que é incrível. É tão bom. Você lê as primeiras seis páginas e você fica “isso vai ser muito bom!”. E é muito bom do início ao fim.


Fonte: http://www.time.com/4976944/john-green-turtles-all-the-way-down-mental-illness/





Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também


25 de março de 2021

TAG: Quem sou eu no Bookstagram?

 


Faz um mês que eu comemorei o meu aniversário... Mas, faltou escrever essa TAG que foi criada pela @nickmafra e pela @justibooks. Amo responder TAGs e papear um pouco com vocês...

→ Qual é a história por trás do seu nome no Bookstagram? Sou viciada em café! e antes de pensar em um nome eu escrevi a frase: Escrevendo sobre livros enquanto bebo um café expresso.... Por isso, o nome Expresso Literário.

 → Há quanto tempo você faz parte dessa comunidade? Desde 12 de junho de 2020. Vai fazer 1 ano que estou aqui...

→ Quais são os tipos de post que você gosta de fazer? Resenhas literárias, quotes e escrever sobre as minhas ultimas leituras.

→ Gosta de aparecer nos stories e IGTV ou prefere ficar por trás das câmeras? Morro de preguiça de ver stories e IGTV dos amigos... Não gosto de aparecer por aqui, prefiro usar esse tempo para fotografar e ler.

 → Prefere uma feed organizado com uma tema único ou prefere tirar vários tipos de fotos? Feed organizado. O feed do meu Bookstagram geralmente é: Quotes, Fotografia e TAG´s. Então  fica mais fácil manter a organização mudando somente algumas cores para combinar com o Blog Literário

→ Quais são seus gêneros literários favoritos? Fantasia, Thriller, Terror psicológico e romance.

→ Prefere montar TBR ou ficar livre para ler o que quiser?  Gosto de ficar livre para ler o que eu quiser

→ Qual foi a melhor coisa que você vivenciou por causa do Bookstagram? Nesses tempos estranhos...Eu encontrei refúgio na minha estante de livros. Além de criar um hábito literário o meu ritmo mudou bastante também. Por causa do Bookstagram eu comecei a ler outros gêneros literários e acabei adorando a experiência.

→ Qual conselho você da para quem quer começar um perfil literário? Então, Quando eu comecei a criar "conteúdo literário" no Instagram eu já escrevia resenhas literárias e fotografava os livros no meu Blog Pessoal...  Eu precisei apenas adaptar o meu conteúdo literário para o Instagram. Além de criar um conteúdo literário você tem que gostar do seu conteúdo e não ficar se comparando com outros conteúdos e Bookstagramers.


Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também

18 de março de 2021

Resenha: Os 13 Porquês (Thirteen Reasons Why).

Já ouviu fala sobre o efeito borboleta não é? Se uma borboleta bate as asas na hora e no lugar certo... Pode causar um furacão e milhares de quarteirões.(...)


A leitura do livro Os 13 Porquês (Thirteen Reasons Why) tem uma narração bastante fluida. É narrado em primeira pessoa, por Clay Jensen (co-narrador): Ouvindo as fitas de Hannah Baker... Hannah Baker cometeu suicídio e deixou 7 fitas cassete endereçadas à 13 pessoas, cada lado das fitas revelando qual a parte delas ao fazê-la tomar essa decisão.

Eu assisti  a série 13 Reasons Why antes de ler o livro e ambos mexeram muito comigo... É um daqueles livros que te faz olhar as pessoas a sua volta de forma diferente, te faz repensar seus atos, te faz querer ajudar alguém. Em conseqüência da narrativa de Clay ouvindo as fitas de Hannah Baker falando sobre os 13 porquês... Não temos o outro lado da história dos outros personagens. A vida de Hannah virou uma bagunça quando ela teve seu primeiro beijo e vários boatos infundados surgiram a partir daí. Como a própria Hannah diz:

 (...) É a teoria do caos. Mais a teoria do caos não fala extremamente sobre o caos. Fala como uma pequena mudança em grande sistema pode afetar tudo."



Título: Os 13 Porquês ( Thirteen Reasons Why)
Autor: Jay Asher
Editora: Ática
Páginas: 256
Ano: 2007
Avaliação: ☕☕☕..


No quesito literário, é uma narrativa intrigante e instigante, eu li esse livro muito rápido. Porque eu gostaria de saber os 13 motivos de terem feito a vida de Hannah descer ladeira abaixo, o que realmente a fez se matar. É um livro que eu usária no estágio de Psicologia Escolar para trabalhar com adolescentes. Pois, "quando começamos a conversar fica mais fácil..."Os assuntos abordados, não podem ser considerados tabus por serem considerados difíceis e sim o meio para abrir um diálogo entre os jovens no ambiente escolar. Ensinar aos adolescentes a ter consciência dos seus atos e também prestarem atenção nos Sinais de quem esta pensando em suicídio: naquele colega de escola/faculdade/trabalho/vida que era super pra cima e de repente teve uma mudança brusca de comportamento.

"Talvez eu nunca saiba por que você fez o que fez, mas posso fazê-lo entender como fez eu me sentir."


Os treze motivos são:
Justin Foley, Alex Standall, Jessica Davis, Tyler Down, Courtney Crimsen, Marcus Cooley, Zach Dempsey, Ryan Shaver, Justin Foley, Jenny Kurtz, Clay Jensen (co-narrador): Com quem Hannah estava conectada e se apaixonou. Uma vez haviam beijado-se em uma festa, e Hannah anseia por mais. No entanto, neste momento de sua vida, ela estava tendo dificuldades para se conectar com qualquer pessoa em um nível mais emocional. Clay não era para estar na lista, mas ela mandou as fitas porque lamentou nunca ter tido a oportunidade de conhecê-lo melhor. Além disso, ela sente que lhe deve uma explicação por seu comportamento. Clay acaba por se sentir culpado por não ter tentado entender Hannah, de quem ele gostava. O Bryce Walker: Diferente da série, Hannah não foi estuprada em uma banheira... Ela realmente transou com Bryce, o que acabou deixando-a totalmente desestabilizada foi o que Bryce Walker falou sobre a sua reputação desde então.

No começo dessa fita ela já inicia a dar pistas de como foi seu suicídio. A ultima fita é para o Sr. Porter: O conselheiro da escola a quem Hannah deu a entender sobre seus planos para cometer suicídio. O Sr. Porter lhe permitiu deixar o seu escritório chateada, depois da conversa (que Hannah gravou). Enquanto ela queria que ele a convencesse a não se matar, ele sugeriu simplesmente que ela seguisse com sua vida. Além disso, não conseguiu manter uma discussão de seguimento adequada. Seus conselhos pobres e orientação ruim foram a gota d'água para Hannah.

(*) No final da última fita há um som sombrio, parecido com um zumbido, que provavelmente indica seu suicídio.


Eu li o livro 
Os 13 Porquês ( Thirteen Reasons Why) no e-book. É um livro do gênero romance e infanto juvenil que fala sobre assuntos sérios. Hanna Backer e os outros 13 porquês... Abriram um "link" para começar um diálogo sobre os assuntos que até então são considerados complicados em um ambiente escolar como: depressão, bullying, uso de álcool e outras drogas, abuso sexual e suicido...

Asher nasceu em Arcadia, Califórnia, em 30 de setembro de 1975. Frequentou a California Polytechnic State University, em San Luis Obispo, tendo desistido no seu primeiro ano, para prosseguir a sua carreira como escritor. Casou-se com Joan Marie em 7 de setembro de 2002. Trabalhou em diversos locais, inclusive como vendedor numa loja de sapatos, em bibliotecas e livrarias. Muitas das experiências de trabalho de Asher influenciaram alguns aspectos da sua escrita. O livro Os 13 Porquês ( Thirteen Reasons Why) é o romance de estréia de JAY ASHER , número 1 do New York Times e best-seller internacional, vendeu mais de 3 milhões de cópias apenas nos Estados Unidos e agora é uma série de 4 temporadas  na Netflix.

Eu assisti  a série 13 Reasons Why antes de ler o livro e ambos mexeram muito comigo... Não existem vilões ou mocinhos na série/livro Thirteen Reasons Why. É impossível não se sensibilizar com a Hanna Backer e os outros 13 porquês... São crianças/adolescentes tentando sobreviver um ambiente escolar tóxico e hostil que a todo o momento querem botar rótulos do "padrão de adolescente" que você deve ser para se enquadrar na sociedade (escola).


Tem que melhorar, a maneira que tratamos uns aos outros e olhamos uns pelos outros, de alguma forma temos que melhorar. 



Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também

© Expresso Literário
Maira Gall