13 de fevereiro de 2021

Resenha: Passarinha ( Mockingbird).


“Livros não são como pessoas. Livros são seguros.”



A leitura do livro Passarinha tem uma narração boa e bastante fluida. É narrado em primeira pessoa, pela jovem Caitlin uma menina de dez anos de idade, autista, portadora da Síndrome de Asperger, ela não sabe como captar o sentido.

A Síndrome de Asperger é um transtorno neurobiológico enquadrado dentro da categoria de transtornos globais do desenvolvimento. Ela foi considerada, por muitos anos, uma condição distinta, porém próxima e bastante relacionada ao autismo. Agora, a Síndrome de Asperger é classificada como uma forma mais branda da condição.

O livro é carregado de simbologias e metáforas que, apesar de belas e profundas, não são complicadas a ponto de não deixar o leitor sem entender o que a autora quis passar com aquilo. De fato, Kathryn Erskine precisa ser elogiada pela sua escrita, que é leve e bem humorada da mesma maneira que é complexa e emocionante. Além da história, Passarinha é um livro que dá gosto de ler pelo modo inteligente e tocante conforme foi escrito.

Os personagens importantes da história são: Caitlin, uma menina de dez anos de idade, autista, portadora da Síndrome de Asperger, ela não sabe como captar o sentido. Devon, o irmão mais velho de Caitlin durante  o enredo percebemos a importância dele na vida da irmã. Quando a irmã estava "no seu mundo" ele era uma peça importante que trazia Caitlin para a realidade.  O Pai viúvo que teve o seu filho mais velho Devon brutalmente assassinado em um massacre na escola. Vivendo o Luto com a Caitlin que no inicio, não compreende direito o que é a morte.

Essa é a minha primeira experiência lendo e-book no kindle. Já escrevi sobre: A minha experiência com um leitor de e- BooksO e-book traz uma diagramação simples, mas um texto sem erros. A tradução da obra é mais que excelente, já que é um livro com tantas simbologias e jogos de palavra, mas que não perdeu nada em qualidade após ser traduzido. Eu adoro a capa de Passarinha, ela é impactante e fofa como o livro.

Embora a narrativa seja simples a primeira vista, mas discute assuntos profundos, como: Transtorno do Espectro Autista, violência e massacres armados em escolas, e luto.

A história de Passarinha é cativante e causa muitas emoções. Eu ri com a inocência de Caitlin quando dizia exatamente o que estava pensando e constrangia adultos que achavam que ela não era capaz de pensamentos tão profundos e maduros, da mesma forma que chorei quando a personagem sofre com a perda do irmão e não consegue explicar para os outros como está se sentindo. 

Título: Passarinha
Título original: Mockingbird
Autora: Kathryn Erskine
Editora: Valentina
Ano: 2013
Páginas: 224
avaliação: 
☕☕☕☕☕



Sinopse: No mundo de Caitlin, tudo é preto e branco. Qualquer coisa entre um e outro dá uma baita sensação de recreio no estômago e a obriga a fazer bicho de pelúcia. É isso que seu irmão, Devon, sempre tentou explicar às pessoas. Mas agora, depois do dia em que a vida desmoronou, seu pai, devastado, chora muito sem saber ao certo como lidar com isso. Ela quer ajudar o pai – a si mesma e todos a sua volta –, mas, sendo uma menina de dez anos de idade, autista, portadora da Síndrome de Asperger, ela não sabe como captar o sentido.

Caitlin, que não gosta de olhar para a pessoa nem que invadam seu espaço pessoal, se volta, então, para os livros e dicionários, que considera fáceis por estarem repletos de fatos, preto no branco. Após ler a definição da palavra desfecho, tem certeza de que é exatamente disso que ela e seu pai precisam. E Caitlin está determinada a consegui-lo. Seguindo o conselho do irmão, ela decide trabalhar nisso, o que a leva a descobrir que nem tudo é realmente preto e branco, afinal, o mundo é cheio de cores, confuso mas belo.

Eu gosto das coisas em preto em branco. Preto e branco é mais fácil de entender. Cor demais confunde a cabeça da gente.

Um livro sobre compreender uns aos outros, repleto de empatia, com um desfecho comovente e encantador que levará o leitor às lágrimas e dará aos jovens um precioso vislumbre do mundo todo especial dessa menina extraordinária.

“É muito difícil enxergar o que você tem que enfrentar quando as coisas começam a virar geleia e se fundir num borrão e se transformar umas nas outras.”

Autor: Como residente do estado da Virgínia, KATHRYN ERSKINE ficou profundamente abalada com o massacre da Virginia Tech University, em 2007. Na esteira da tragédia, Kathryn imaginou como poderia entrelaçar o tema da violência na juventude, seu impacto sobre a comunidade e as famílias, e o mundo de uma criança com necessidades especiais, numa tentativa de avaliar o quanto nossas vidas poderiam ser diferentes se compreendêssemos melhor uns aos outros. Ao escrever Passarinha, que narra a história de uma menina autista, ela própria penetrou nesse delicado universo, para, como Caitlin, nos oferecer algo bom e forte e bonito. Visite kathyerskine.com e tenha acesso a uma infinidade de informações sobre autismo e síndrome de Asperger, além de endereços úteis, links para artigos, bibliografia direcionada, fontes de pesquisa, sugestões para temas e debates em sala de aula, material de apoio para professores e educadores, playlist e muito mais.

O bom dos livros é que as coisas do lado de dentro não mudam. As pessoas dizem que não se pode julgar um livro pela capa mas isso não é verdade porque a capa diz exatamente o que tem dentro. E não importa quantas vezes você leia aquele livro as palavras e imagens não mudam. Você pode abrir e fechar os livros um milhão de vezes que eles continuam os mesmos. Têm a mesma aparência. Dizem as mesmas palavras. Os gráficos e ilustrações são das mesmas cores. Livros não são como pessoas. Livros são seguros. 


Eu chorei litros com o DESFECHO de Caitlin e o caminho percorrido para vivenciar esse Luto do irmão Devon que era um personagem importante que conectava de uma maneira doce a irmã mais nova ao mundo...

"E então eu me escuto gritar para o mundo inteiro enquanto penso na minha cabeça, Agora eu sei como chegar à vivência emocional de uma situação de vida difícil! e a Sra. Johnson aperta meus ombros e eu nem me importo e ela grita, O que foi? O que foi? e eu grito alto o bastante para Devon me ouvir do céu, EU CAPTEI O SENTIDO! EU CAPTEI O SENTIDO! EU CAPTEI O SENTIDO! EU CAPTEI O SENTIDO!"

No decorrer da história, percebemos que o massacre no Colégio Virginia Dare (uma referência ao real massacre que aconteceu em 2007 na Universidade Virginia Tech, que tirou a vida de 33 pessoas e deixou 21 feridos) que matou Devon e outros alunos e professores vimos o sofrimento de outros personagens como Michael que perdeu sua mãe ela era uma das professoras que foi brutalmente assassinada nesse mesmo massacre  e a importância do LUTO. Embora, não exista uma maneira ideal de passar por um processo de perda.

Fico olhando para o armário de Devon porque me faz sentir como se um pedacinho dele ainda estivesse aqui. Mesmo sabendo que ele nunca mais vai poder me ensinar a fazer um armário. Que nunca mais vai poder me ensinar nada. Que nunca mais vou vê-lo de novo nem nunca mais vou poder olhar para ele e dizer Obrigada.

  


Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também
FanPage | InstagramBloglovin

7 comentários

  1. Amo esse livro! E assim como você também derramei várias lágrimas...Uma história sensível, que todos deveriam ler...
    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  2. Eu acho engraçado! Minha realidade é toda no computador. O dia todo. Mas eu não consigo ler livros prontos na tela. Preciso do papel, de virar páginas, escrever nas laterais (as vezes, dependendo livro) preciso do toque, da capa. Do objeto livro. Já tentei ler nesse formato e abandonei a história e o objeto. Dei de presente para uma amiga que deve estar a fazer um bom uso dele. rs
    Toda vez que eu vejo um livro que me interessa, penso... será que tem em versão de papel? rs
    Eu gostei dos personagens... acho delicioso saber mais sobre as pessoas autistas. E entendê-las. São únicas e nos ensinam tanto. Nos fazem compreender o sentido de respeito de uma maneira singular.

    ResponderExcluir
  3. Que sinopse cativante, fiquei muito emocionada com a premissa do livro, imagino que seja uma leitura super comovente, entender o autismo é uma lição de empatia que todos devemos aprender.

    ResponderExcluir
  4. Sempre leio comentários positivos sobre este livro, e por isso tenho muita curiosidade de ler! Me interesso muito pelos temas que ele trata, e essas quotes que você trouxe me deixaram ainda mais instigada para ler logo e descobrir se vou chorar também, hehe

    ResponderExcluir
  5. Achei a temática super interessante e parece uma excelente história. E me parece também uma história carregada de emoção, do tipo que mexe com a gente. E como estou em um momento que tenho buscado histórias mais leves, vou deixar essa dica anotada aqui para o futuro.

    ResponderExcluir
  6. Eu adorei o título e a capa também!

    A história parece ser super interessante. Acho legal ver um história contada por uma pessoa com deficiência para vermos um ponto de vista diferente de como se enxerga o mundo.

    Lendo esse livro eu certamente choraria também.

    ResponderExcluir
  7. Livro maravilhoso...Uma história sensível... Parabéns pela escolha!

    ResponderExcluir

© Expresso.Literário
Maira Gall